Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
PRANTO DE MARIA PARDA

PRANTO DE MARIA PARDA

Teatro & Arte | Teatro

Teatro Nacional D.MariaII

Sala Estúdio
Classificação Etária
Maiores de 12 anos
Bilhete Pago
A partir dos 3 anos
2021
out
21
a
2021
nov
05
Realizado

Duração

60 minutos

Promotor

Teatro Nacional D. Maria II

Sinopse

Um texto com 500 anos para pensar a cidade de hoje.

Pranto de Maria Parda parte do texto homónimo de Gil Vicente, escrito no rescaldo de um ano devastador e é levado à cena em 2021, no rescaldo de um outro ano devastador. Este espetáculo propõe-se vaguear pelas ruas de Lisboa à escuta da voz daqueles que a cidade escolheu deixar de lado, hoje, como há cinco séculos.

1521: Maria Parda vagueia pelas ruas de Lisboa. Não reconhece a cidade, assolada pela fome e pela seca. Quis Gil Vicente que Maria Parda simbolizasse o ano mau, que fosse mulher e alcoólica e que não tivesse lugar na cidade.

2021: Lisboa está irreconhecível, desfigurada pela gentrificação, pela presença (e ausência) do turismo, pela pandemia. Quinhentos anos volvidos, Maria Parda continua sem ter lugar.

A tradição foi insinuando que da designação "Maria Parda" se extraía a ideia de uma mulher negra. Mas em nenhum momento Gil Vicente parece indicá-lo. Resultará essa conclusão de um preconceito de interpretação e de leitura? Como se olha para este texto com quinhentos anos à luz das questões do racismo e do feminismo, que ele próprio hoje convoca, e que são prementes? Que caminho fizeram este texto, a cidade e Maria Parda - até hoje?

O projeto Próxima cena visa a criação e digressão de espetáculos em teatros de regiões de baixa densidade populacional. O BPI e a Fundação "la Caixa" são mecenas deste projeto.

Ficha Artística

encenação Miguel Fragata
com Cirila Bossuet
música Capicua e Chullage
vídeo João Gambino
cenografia F. Ribeiro
desenho de luz Rui Monteiro
figurinos José António Tenente
desenho de som Nelson Carvalho
captação de som (vídeo) João Bento
produção musical Virtus e Chullage
assistência de encenação Rafael Gomes
consultoria José Camões, Mamadou Ba, Naki Gaglo, Marta Araújo, Sílvia Maeso, Joana Gorjão Henriques
técnica e operação Rita Sousa
produção Teatro Nacional D. Maria II

Transportes Públicos

Metro - Linha Azul (estação Restauradores) / Linha Verde (Rossio)
CP - Estação do Rossio
Autocarros/eléctricos Carris - Restauradores/Praça da Figueira

Estacionamento

Restauradores
Praça da Figueira

-
Partilhar
Assinatura 10 espetáculos (2021/2022)
Assinatura 5 espetáculos (2021/2022)