Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
BAJAZET

BAJAZET

Teatro & Arte | Teatro

Teatro Nacional D.MariaII

Sala Garrett
Classificação Etária
Maiores de 18 anos
Bilhete Pago
A partir dos 3 anos
2020
jun
19
a
2020
jun
20

Próxima Sessão

19 jun 2020 19:00
Dias
Hrs
Min
Seg

Duração

4 horas

Intervalo

Com Intervalo.

Promotor

Teatro Nacional D. Maria II E.P.E.

Sinopse

Um teatro que se tem a si mesmo como prova de liberdade.

Autor de um teatro intransigente, que se tem a si mesmo como prova de liberdade, e que não foge das contradições humanas, Frank Castorf, uma das mais emblemáticas figuras do teatro alemão, revisita, em francês, Bajazet de Jean Racine, confrontando-o com o texto de Antonin Artaud, O Teatro e a Peste.

Neste espetáculo, Castorf traz à tona o que estes dois poetas têm em comum: a palavra falada. Se em Racine esta funciona como o braço com o qual os heróis se desembaraçam das camisas de forças que os aprisionam, para Artaud a reinvenção da linguagem conduz à libertação daquilo que é imposto pelo nascimento, pela sociedade e pela língua.

Bajazet passa-se entre as quatro paredes do Serralho de Constantinopla, na ausência do sultão. Para cada personagem, o verdadeiro amor entra em conflito com as ambições políticas, transformando em sinónimo de morte a vivência plena das paixões. A tragédia expõe o espírito falível do humano e a impossibilidade da existência de sentimentos puros. Ao adaptar Racine, Castorf transporta-nos de um século para outro, reunindo dois grandes autores que nos acordam os nossos demónios interiores.

Ficha Artística

encenação Frank Castorf
textos Jean Racine, Antonin Artaud e citações de Pascal e Dostoievski
com Adama Diop, Claire Sermonne, Jean-Damien Barbin, Jeanne Balibar, Mounir Margoum e uma câmara ao vivo
música William Minke
cenografia Aleksandar Denic
figurinos Adriana Braga Peretzki
desenho de luz Lothar Baumgarte
vídeo Andreas Deinert
assistência de encenação Hanna Lasserre
produção Théâtre Vidy-Lausanne, MC93 - Maison de la Culture de Seine St-Denis
coprodução Festival dAutomne à Paris, Extrapôle Sud-PACA, Grand Théâtre de Provence, Theatre National de Strasbourg, Maillon Theatre de Strasbourg - scene europeenne, TANDEM Scene nationale, Douai, Bonlieu Scene nationale Annecy, TNA / Teatro Nacional Argentino - Teatro Cervantes, Emilia Romagna Teatro Fondazione
apoios Institut français à Paris, Institut français du Portugal, Embaixada de França em Portugal
apoio financeiro projeto PEPS no âmbito do programa europeu de cooperação transfronteiriça Interreg France-Suisse 2014-2020

duração 4h (com intervalo)

M/18

Espetáculo estreado a 30 de outubro de 2019, no Théâtre Vidy-Lausanne (Suíça)
Espetáculo integrado no Plano de Assinaturas do D. Maria II.
Saiba mais aqui.

Um teatro que se tem a si mesmo como prova de liberdade.

Autor de um teatro intransigente, que se tem a si mesmo como prova de liberdade, e que não foge das contradições humanas, Frank Castorf, uma das mais emblemáticas figuras do teatro alemão, revisita, em francês, Bajazet de Jean Racine, confrontando-o com o texto de Antonin Artaud, O Teatro e a Peste.

Neste espetáculo, Castorf traz à tona o que estes dois poetas têm em comum: a palavra falada. Se em Racine esta funciona como o braço com o qual os heróis se desembaraçam das camisas de forças que os aprisionam, para Artaud a reinvenção da linguagem conduz à libertação daquilo que é imposto pelo nascimento, pela sociedade e pela língua.

Bajazet passa-se entre as quatro paredes do Serralho de Constantinopla, na ausência do sultão. Para cada personagem, o verdadeiro amor entra em conflito com as ambições políticas, transformando em sinónimo de morte a vivência plena das paixões. A tragédia expõe o espírito falível do humano e a impossibilidade da existência de sentimentos puros. Ao adaptar Racine, Castorf transporta-nos de um século para outro, reunindo dois grandes autores que nos acordam os nossos demónios interiores.

Espetáculo falado em francês, com legendas em português.




Estreia do espetáculo no Théâtre Vidy-Lausanne, na Suíça, a 30 de outubro de 2019

Preços

  • Plateia - 16€
  • 1º Balcão - 12€
  • 2º Balcão - 9€

Descontos

  • Desempregados
  • Dia do espectador
  • Jovens (até 30 anos)
  • Pessoas c/nec. especiais
  • Prof. do espetáculo
  • Seniores (+ 65 anos)

Transportes Públicos

Metro - Linha Azul (estação Restauradores) / Linha Verde (Rossio)
CP - Estação do Rossio
Autocarros/eléctricos Carris - Restauradores/Praça da Figueira

Estacionamento

Restauradores
Praça da Figueira

-
Partilhar
Assinatura 10 espetáculos (2019/2020)
Assinatura 5 espetáculos (2019/2020)