Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
BOMBYX Mori (Bienal BoCA)

BOMBYX Mori (Bienal BoCA)

Teatro & Arte | Teatro

Teatro Nacional D.MariaII

Sala Garrett
Classificação Etária
Maiores de 14 anos
Bilhete Pago
A partir dos 3 anos
2019
abr
13
a
2019
abr
14
Realizado

Duração

60 minutos

Promotor

Teatro Nacional D. Maria II E.P.E.

Sinopse

Loïe Fuller (1862-1928) foi uma artista de performance antes mesmo deste termo ter sido inventado: inovadora e impossível de categorizar. Ficou reconhecido através dos seus solos, em que girava em círculos, colocando metros de tecido de seda em volta do seu corpo. Ela encaixa-se no movimento art nouveau, mas também se divertia a dançar em casa, na sala Folies Bergère, em Paris. Por ser a primeira pessoa a fazer uso da luz elétrica e a posicionar o movimento fora do corpo, ela foi uma força inovadora nos mundos da dança e do teatro. Colaborou com figuras como Auguste Rodin e os Irmãos Lumière.
Nesta peça para três intérpretes femininas, Ola Maciejewska inspira-se na "Dança Serpentina" de Fuller. Ola explora a relação nas artes entre seres humanos e matéria física, criando movimento em grandes pedaços de tecido. Brinca com a confluência de corpos e objetos e a batalha que estes empreendem. Bombyx Mori alude ao bicho de seda, que se tornou inteiramente dependente dos seres humanos para sobreviver. Aqui, o corpo natural e o processo artificial estão inextricavelmente ligados: uma metáfora pungente para uma interpretação escultural, explorando a relação entre o corpo e o artefacto, de forma alucinada e em constante vertigem, onde é revelada a natureza híbrida das coisas.
Cascatas de tecido preto ondulam pelo palco, formando redemoinhos de curta duração, asas e criaturas míticas que desfilam exuberantemente à frente dos nossos olhos, numa constante metamorfose das imagens. Ola Maciejewsa, artista polaca, apresenta-se pela primeira vez em Lisboa e revela em Bombyx Mori uma hibridez sublime entre corpo e objeto, entre atividade e passividade, entre humanos e não-humanos.

Ficha Artística

conceção Ola Maciejewska (Polónia)
criação de luz e direção técnica Rima Ben Brahim
criação sonora Alberto Novello
realização de figurinos Valentine Solé
produção Élodie Perrin
coprodução Ménagerie de Verre - Paris, LE CN D un centre dart pour la danse, Productiehuis Rotterdam, Veem House for Performance, Centre chorégraphique national de Caen en Normandie no contexto do programa Artiste associé
com o apoio da Vivarium Studio, Nanterre-Amandiers - Centre Dramatique National
apoio Hermès Foundation, no contexto do programa New Settings
apoio à apresentação Embaixada da Polónia em Portugal

Transportes Públicos

Metro - Linha Azul (estação Restauradores) / Linha Verde (Rossio)
CP - Estação do Rossio
Autocarros/eléctricos Carris - Restauradores/Praça da Figueira

Estacionamento

Restauradores
Praça da Figueira

Partilhar